Documento sem título
QUEM SOMOS
Conheça a ONG
Bicho Legal
 
NOTÍCIAS
Artigos e curiosidades
 
SERVIÇOS
Como podemos ajudar
 
SAÚDE ANIMAL
Alimentação, vacinação, primeiros socorros...
 
MAUS TRATOS
Como agir e quem procurar
 
GUIA PRÁTICO
Acesse e conheça nosso guia
 
     
     
 
Notícia - DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS DOS ANIMAIS COMPLETA 35 ANOS DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS DOS ANIMAIS COMPLETA 35 ANOS

A Declaração Universal dos Direitos dos Animais foi proclamada pela em 27 de janeiro de 1978 em Bruxelas visando amparar e proteger os animais de todo mundo. Na prática, infelizmente, os animais ainda não são respeitados como deveriam, sendo que muitas pessoas não conhecem ou não dão a devida atenção à Declaração.

Reforçando ainda mais a Declaração promulgada pela UNESCO, órgão da ONU, pesquisas cientificas recentes comprovaram que os animais são seres sencientes, ou seja, sentem dor, medo, prazer, alegria e estresse, saudades, entre outros sentimento. Isso altera profundamente a relação existente entre humanos e os animais.

Um filme produzido pela WSPA (World Society for the Protection of Animals), "Animais, Seres Sencientes" mostra o conceito de senciência animal, que se aplica a todos os animais vertebrados - mamíferos, aves, répteis, anfíbios e peixes. A senciência é a capacidade emocional dos animais; é a percepção de sentimentos como agonia, temor, etc. O documentário contou com a participação dos maiores especialistas em bem estar animal do Brasil e do mundo que comentam, de forma simples didática, sobre os animais de companhia, de produção, selvagens, de entretenimento, sendo esse o primeiro documentário sobre o tema no país.

Com isso torna-se clara a importância e a necessidade de respeitarmos esses seres divinos, não medindo esforços e ações para que seus direitos sejam preservados.

Leandro Palmarini
“Bicho Legal” é Vereador, Coordenador do Projeto Bicho Legal e Presidente da Comissão de Políticas Urbanas e Meio Ambiente da Câmara Municipal de Jundiaí.

Confira abaixo a Declaração Universal dos Direitos dos Animais


DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS DOS ANIMAIS PROCLAMADA PELA UNESCO EM SESSÃO REALIZADA EM BRUXELAS, EM 27 DE JANEIRO DE 1978

Considerando que cada animal tem direitos;

Considerando que o desconhecimento e o desprezo destes direitos levaram e continuam levando o homem a cometer crimes contra a natureza e contra os animais;

Considerando que o reconhecimento por parte da espécie humana do direito à existência das outras espécies animais, constitui o fundamento da coexistência das espécies no mundo;

Considerando que genocídios são perpetrados pelo homem e que outros ainda podem ocorrer;

Considerando que o respeito pelos animais por parte do homem está ligado ao respeito dos homens entre si;

Considerando que a educação deve ensinar à infância a observar, compreender e respeitar os animais, PROCLAMA-SE:

Art. 1º -
Todos os animais nascem iguais diante da vida e tem o direito a existência.

Art. 2º -
a) Cada animal tem o direito ao respeito.
b) O homem, enquanto espécie animal, não pode atribuir-se o direito de exterminar os outros animais ou explorá-los, violando este direito. Ele tem o dever de colocar a sua consciência a serviço dos outros animais.
c) Cada animal tem o direito à consideração, à cura e à proteção do homem.

Art. 3º -
a) Nenhum animal deverá ser submetido a maltrato e a atos cruéis.
b) Se a morte de um animal é necessária, deve ser instantânea, sem dor nem angústia.

Art. 4º -
a) Cada animal que pertence à uma espécie selvagem, tem o direito de viver livre no seu ambiente natural terrestre, aéreo ou aquático e tem o direito de reproduzir-se.
b) A privação da liberdade, ainda que para fins educativos, é contrária a este direito.

Art. 5º -
a) Cada animal pertence à uma espécie, que vive habitualmente no ambiente do homem, tem o direito de viver e crescer segundo o ritmo e as condições de vida e de liberdade, que são próprias da sua espécie.
b) Toda modificação deste ritmo e destas condições impostas pelo homem para fins mercantis é contrária a este direito.

Art. 6º -
a) Cada animal que o homem escolher para companheiro tem o direito a uma duração de vida, conforme sua natural longevidade.
b) O abandono de um animal é um ato cruel e degradante.

Art. 7º -
Cada animal que trabalha tem o direito a uma razoável limitação do tempo e intensidade do trabalho, a uma alimentação adequada e repouso.

Art. 8º -
a) A experimentação animal, que implica em um sofrimento físico e psíquico, é incompatível com os direitos do animal, quer seja uma experiência médica, científica, comercial ou qualquer outra.
b) As técnicas substitutivas devem ser utilizadas e desenvolvidas.

Art. 9º -
No caso do animal ser criado para servir de alimentação, deve ser nutrido, alojado, transportado e morto sem que para ele resulte ansiedade ou dor.

Art. 10 -
a) Nenhum animal deve ser usado para divertimento do homem.
b) A exibição dos animais e os espetáculos, que utilizam animais são incompatíveis com a dignidade do animal.

Art. 11 -
O ato que leva à morte de um animal sem necessidade, é um biocídio, ou seja, um delito contra a vida.

Art. 12 -
a) Cada ato que leva à morte de um grande número de animais selvagens, é um genocídio, ou seja, um delito contra a espécie.
b) O aniquilamento e a destruição do ambiente natural levam ao genocídio.

Art. 13 -
a) O animal morto dever ser tratado com respeito.
b) As cenas de violência de que os animais são vítimas, devem ser proibidas no cinema e na televisão, a menos que tenham como fim mostrar um atentado aos direitos do animal.

Art. 14 -
a) As associações de proteção e de salvaguarda dos animais devem ser representadas a nível de governo.
b) Os direitos do animal devem ser definidos por leis, com os direitos do homem
 
Documento sem título
Copyright © 2012 - 2014
Todos os direitos reservados